AMIGOS DA CURA

TROCA DE INFORMAÇÕES A FAVOR DA VIDA

http://www.aboz.org.br/Web/secoes_site.asp?id=7

 

Aplicações da Ozonioterapia médica 

As aplicações de ozonioterapia são determinadas por suas propriedades antiinflamatórias, antisépticas, de modulação do estresse oxidativo, da melhora da circulação periférica e da oxigenação.

Isto determina o amplo número de patologias em que pode ser utilizada sozinha ou como tratamento complementar.

As concentrações e modo de aplicação variam de acordo com o problema a ser tratado, já que a concentração de ozônio determina o tipo de efeito biológico e o modo de aplicação relaciona-se a sua ação no organismo. 

Dessa maneira, podem ser tratadas pela ozonioterapia as patologias de origem inflamatória, infecciosa, isquêmica e com alterações do estresse oxidativo. 

O ozônio de uso médico pode ter diferentes propriedades, depende da concentração da mistura de ozônio e oxigênio. Possui propriedades bactericidas, fungicida e virostática, por isso é largamente utilizado para tratamento de feridas infectadas, assim como doenças causadas por vírus e bactérias. 

Sua habilidade de estimular a circulação é usada no tratamento de doenças circulatórias.

Quando utilizado em baixas concentrações, a resistência do organismo é mobilizada, ou seja, o ozônio ativa o sistema imunológico. Através do ozônio, a células imunológicas do corpo produzem citocinas (incluindo mediadores importantes como interferons e interleucinas); estas informam outras células imunológicas, ativando a cascata imunológica.

Longe de ser uma panacéia, o ozônio pode, no entanto, ser utilizado em tratamentos de um grande número de afecções. Graças às suas propriedades seletivas, o ozônio médico é utilizado em diferentes campos, algumas vezes como viga mestra do tratamento, outras com mero coadjuvante:

- Tratamento de doenças de ordem circulatórias, inclusive geriatria;
- Tratamento de doenças produzidas por vírus, como hepatite e herpes;
- Tratamento de feridas e processos inflamatórios: úlceras abertas na pele, inflamações intestinais, queimaduras, feridas infectadas, infecções por fungos e outras;
- Condições inflamatórias e reumáticas.

Uma listagem de patologias que se beneficiariam com a ozonioterapia médica incluem:

Aparelho Locomotor
Artrose 
Artrite reumatóide e outras artrites autoimunes
Bursites e tendinites
Fibromialgia reumática
Hérnia de disco e radiculopatias compressivas
Canal estreito
Síndrome do túnel do carpo e outras neuropatias periféricas compressivas 
Tratamento local de processos sépticos (osteomielite)
Síndromes miofasciais

Aparelho Cardiovascular
Varizes e úlceras varicosas 
Pé diabético 
Tromboflebites 
Arteriosclerose 
Escaras 
Claudicação intermitente 
Insuficiência venosa e linfedema 
Fragilidade capilar 
Cardiopatía isquêmica 

Geriatria
Cansaço e fadiga crônica
Perda de memória

Aparelho digestório
Hepatite (B e C) 
Colite ulcerosa 
Enfermidade de Crohn 
Fistulas perianais 
Hemorróidas
Proctite
Úlcera gástrica 

Estética e Dermatologia
Lipodermite e lipodistrofias localizadas (CELULITE) 
Lipomatose
Acne
Processos eczematosos 
Herpes Simples e Zoster 
Micoses
Queimaduras 
Cicatrizes 
Psoríase 
Mucosite 

Oftalmologia
Glaucoma de ângulo aberto 
Neuropatia óptica 
Retinose pigmentar 
Degeneração macular senil 

Odontologia 
Gengivite 
Branqueamento dental 
Cáries 

Otorrinolaringologia
Amidalite crônica 
Faringite infecciosa 
Síndrome vestibulococlear periférico 

Ginecologia
Vulvovaginites de repetição 
Infecções genito-urinárias 
Mastodinea 
Processos inflamatórios e abscessos de mama 
Complicações sépticas obstétricas e puerperais (infecções pós-operatórias)

Neurologia
Cefaléia vascular 
Cefaléia de Horton ou em salvas
Depressão 
Enxaqueca
Mal de Parkinson 
Demência senil 
Arterioesclerose cerebral 
Alzheimer

Tipos de tratamentos

Vias de administração Local/Tópica:
- Injeção intramuscular
- Injeção subcutânea (analgesia, fins estéticos)
- Injeção paraverteral
- Injeção intra/periarticular
- Injeção intradiscal
- Insuflação retal
- Insuflação vaginal
- Insuflação de orelha 
- Aplicação de azeite ozonizado
- Água bidestilada ozonizada (compressa, spray, bochecho ou banho)
- Inalação de azeite ozonizado
- Bolsa (bag) 
- “Ventosa”
- Sauna
- Banho de vapor ozonizado

Vias de administração Sistêmicas
- Grande Auto-Hemoterapia (Major)
- Insuflação Retal
- Pequena Auto-Hemoterapia (Minor)
- Solução salina ozonizada

Tags: bladder, cancer, cancro, carcinoma, catarata, cegueira, glaucoma, krebs, olho, olhos, Mais...ozonio, retina

Exibições: 5728

Responder esta

Respostas a este tópico

Traduzido pelo google 

........Fizemos a medição da concentração de ozônio na bolsa imediatamente após a conclusão do sangue
tratamento com a mistura de oxigênio-ozônio com a concentração de ozônio igual a 20 microgramas por mililitro. Nós
Não descobri o teor de ozono na bolsa, na sensibilidade do método de 0,1 microgramas por mililitro.
É óbvio que apenas um dos componentes da mistura de oxigênio-ozônio - oxigênio entra em contato com as paredes do saco.
2) Não foram realizadas cerca de 200 000 procedimentos de autohemoterapia grande com o uso de sacos de PVC, na Ucrânia,
Rússia, Turquia, em alguns países da UE, na América Latina e países do Sudeste Asiático. Sendo o inventor da
a variante método de autohemoterapia grande baseado na utilização da bomba peristáltica e um saco de PVC especial
construção, eu coletar informações sobre os excessos e as complicações que aparecem na prática de médicos,
que utilizam instrumentos e sacos de minha construção cuidadosamente. Desde 2001, quando a prática desta variante do grande
autohemoterapia ter começado, obtive 1137 relatórios sobre as complicações durante a realização deste procedimento.
As complicações podem ser divididas em dois tipos - durante o procedimento (862) e nas primeiras 24 horas após
o procedimento (275). Complicações durante o procedimento foi manifestada por vertigens, náuseas, diminuição da
pressão arterial, desmaios.
Como regra geral, tais pacientes internados que essa reação ocorre normalmente neles com a visão de
o sangue. O segundo tipo de complicações foi expressa pelo aumento da temperatura corporal
dos pacientes após o primeiro procedimento, sonolência, fraqueza.Em certos casos, especialmente
após as reclamações de pacientes sobre a sonolência, a dose de ozônio foi reduzida.
Estes sintomas desapareceram durante o curso.
Consideramos essas complicações ser uma reação de rotina de pacientes para os procedimentos
associado com o de sangue, já que este é um perfil comum de complicações no
doador prática.
Em conclusão, convém notar que, com base na experiência positiva da utilização
polipropileno em seus trabalhos sobre EBOO e preconceitos que alguns médicos, especialmente
no Ocidente, que domina a produção de sacos de plástico de polipropileno 100%,
que apresentou no congresso. Assim, os médicos podem escolher entre dois tipos de sacos
com base em PVC e polipropileno, que são produzidos por nós.
A próxima pergunta que você submeta à apreciação da conferência foi a seguinte:
3. Recentemente tornou-se moda usar a infusão intravenosa de soro fisiológico ozonizado. Em comparação com o
autohemoterapia ozonizado clássica, esse método é rápido e barato, mas é fisiológica ozonizada válido deve ser
comparada com solução salina oxigenada e químicos adequados, os dados clínicos devem ser apresentados. A válida e
comparação exaustiva entre os resultados clínicos obtidos com qualquer autohemoterapia ozonizado ou soro fisiológico ozonizado
deve ser apresentado.
Há dois aspectos nesta questão:
1) se o peróxido de hidrogênio e hipoclorito de sódio são formadas durante o tratamento da solução de NaCl, o que pode
ser a causa de complicações em infusão intravenosa
2) é a dose de ozônio obtidos pelo paciente no presente processo suficientes para o tratamento completo

 

A nossa Autohemoterapia não tem efeitos colaterais, nem complicações alguma

Existem alguns geradores de ozonio no mercado brasileiro, alguém tem alguma experiência com algum deles?

Atenciosamtene

Kadu

Vou mostrar como se produz ozônio de forma fácil e com baixo custo.

Basta adquirir uma lâmpada do tipo germicida (que é uma fluorescente transparente) e o reator adequado à potência da lâmpada.

Compre também os soquetes adequados ao tamanho da lâmpada.

A lâmpada germicida existe nas seguintes potências: 4, 8, 10, 15 e 20W. Encontrável em boas lojas de material elétrico.

Ao se ligar o conjunto na rede elétrica é aconselhável colocar um anteparo opaco na frente da lâmpada, pois emite luz ultravioleta. Evite olhar diretamente para a lâmpada. É esta luz que excita as moléculas de O2 e criam a molécula de O3, que é o ozônio.

Na medicina se usa oxigênio puro, ao passo que neste processo descrito acima é o próprio oxigênio do ar que se transforma em ozônio.

Como o destino deste ozônio pode ser muito variado, cabe a adaptação de bombas ou ventoinhas para fazer a circulação ou pressurização do gás.

O processo básico é o descrito e produz ozônio para o meio ambiente. Se respirado, este ozônio poderá combater vírus ou bactérias que estejam no pulmão e daí, se entrar na circulação sanguínea combater outros parasitas no corpo. Note que não se trata de um processo invasivo, como a medicina tem por hábito. Os resultados poderão não serem tão diretos e imediatos, mas também fazem sua parte, de maneira mais lenta e com bem menos tecnologia ou recursos, custando bem menos de R$100,00.

Perceba que respirar ozônio é bom até certo limite, pois em dose muito elevada prejudica. Desligue e retire-se do ambiente onde há ozônio ao perceber qualquer sintoma diferente. Geralmente sente-se ardência nas vistas e na garganta, nada que não passe em pouco tempo.

Os usos domésticos deste tipo de gerador de ozônio são muito variados, a saber:

- tirar o mau cheiro de geladeira;

- evitar micro organismos no ambiente;

- remover odores desagradáveis, como o cheiro do cigarro;

Nunca coloque o pressurizador aspirando o ozônio e sempre empurrando o ar sem ozonização, pois ataca facilmente partes de borracha, tonando-a mole.

Outra forma que se produz ozônio é por descarga elétrica de alta voltagem. Acho que ninguém está disposto a saber como se produz raios dentro de casa ?

Para fazer um ozonizador de água, usa-se uma bomba, que pode ser um nebulizador, por exemplo, que injeta o ar numa câmara onde está a lâmpada e na saída se borbulha o ar ozonizado na água. Este processo deixa a água que é fornecida pelo sistema (geralmente com cloro) com sabor muito agradável e pode ser bebida imediatamente, aproveitando o ozônio na absorção estomacal. Serve para limpeza de frutas e legumes, inclusive removendo agrotóxicos.

O cheiro característico do ozônio é de antes de uma chuva, ou de melancia verde.

Bacana! Esse processo gera ozonio instantameamente? Vou tentar!

A geração de ozônio é gradativa e crescente.

Para quem tem intenção de usar em casa é suficiente uma lâmpada pequena de 4W que tem uns 15cm de comprimento. É adequada para instalar em lugares menores.

Em geral, deixando-se ligado 30 minutos em cada peça da casa se obtêm uma boa limpeza de todos os parasitas dispersos no ar. Permanecer neste ambiente mais que 15 minutos poderá causar os sintomas que citei na postagem anterior.

Flávio:Eu gostaria de saber mais detalhado sobre como fazer um ozonizador, usando um nebulizador passo a passo grato!!!!

Flávio, não irei descrever como se liga uma lâmpada fluorescente ao reator e a rede elétrica pois isto é óbvio. Cabe detalhar a forma como encontrei para desenvolver a câmara de ozonização: Usa-se um pedaço de cano de PVC tal que a lâmpada caiba em seu interior com pequena folga deixando os terminais do lado de fora. Dois furos são realizados para encaixar pequenas entrada e saída do ar perto das extremidades. Pode-se usar um pedaço de antena de rádio ou tv tal que a mangueira se adapte. Estes caninhos ou terminais foram fixados com resina acrílica, mas poderá ser realizado com cola epoxi, para que tenha boa rigidez mecânica.

Introduz-se a lâmapada no cano e veda-se as extremidades com cola quente tal que não encubra a parte de vidro Nesta fase deve-se comprovar a ausência de vazamentos.

Feito isto, conecta-se a mangueira do nebulizador (ou bomba de aquário) em um dos canos metálicos e no outro, na outra extremidade, haverá a saída a saída de ozônio.

Pronto! Já está feita a câmara de ozonização. Agora conecte os plugs da lâmpada fluorescente e na rede elétrica. Não esqueça de ligar o nebulizador. Feito! Eis um ozonizdor capaz de purificar a água que bebemos e até ozonizar o azeite de oliva que pode ser usado como produto germicida em tratamentos de feridas infectadas.

A manutenção deste equipamento poderá eventualmente exigir reparos na cola quente devido ao aquecimento da lâmpada causando derretimento, o que ocasiona vazamentos e perda de eficiência.

Esta foi minha alternativa de produzir ozônio com pressão mais elevada, mas nada impede que se adote outra outra solução. Só depende da tua criatividade.

Oi Luis Engel, eu comprei a lampada de 8w, mas nao consegui discernir corretamente o cheiro do ozonio. Fiz uma comparaçao com um gerador de ozonio de alta tensao, que parece gerar bem mais gas. Minha duvida é: Sera q comprei uma lampada falsa, ou a lampada fluorescente gera pouco ozonio e por isso eu nao senti o cheiro?
Agradeço se me der a sua opinião!
Um abraço
Kadu

Kadu,

De fato os geradores de ozônio que operam com alta voltagem são mais eficazes, mas são bem mais perigosos, por isto não recomendo sua construção por leigos. Já não é o caso das lâmpadas UV.

As lâmpadas de UV (ou conhecidas como germicidas) não tem a cobertura interna de fluor (esbranquecida). Tem aspecto transparente. Existem lâmpadas UV com cobertura interna na cor violeta que não emitem o espectro mais amplo de luz e não são tão adequadas. Estas são conhecidas como luz negra.

olá Luiz, eu gostei do seu invento e me interessou, mas eu sou meio burro para essas coisas, não tem como você conseguir uma foto ou um video com o passo a passo de como funciona a engenhoca, vai me ajudar muito.

Luiz F. Engel disse:

Flávio, não irei descrever como se liga uma lâmpada fluorescente ao reator e a rede elétrica pois isto é óbvio. Cabe detalhar a forma como encontrei para desenvolver a câmara de ozonização: Usa-se um pedaço de cano de PVC tal que a lâmpada caiba em seu interior com pequena folga deixando os terminais do lado de fora. Dois furos são realizados para encaixar pequenas entrada e saída do ar perto das extremidades. Pode-se usar um pedaço de antena de rádio ou tv tal que a mangueira se adapte. Estes caninhos ou terminais foram fixados com resina acrílica, mas poderá ser realizado com cola epoxi, para que tenha boa rigidez mecânica.

Introduz-se a lâmapada no cano e veda-se as extremidades com cola quente tal que não encubra a parte de vidro Nesta fase deve-se comprovar a ausência de vazamentos.

Feito isto, conecta-se a mangueira do nebulizador (ou bomba de aquário) em um dos canos metálicos e no outro, na outra extremidade, haverá a saída a saída de ozônio.

Pronto! Já está feita a câmara de ozonização. Agora conecte os plugs da lâmpada fluorescente e na rede elétrica. Não esqueça de ligar o nebulizador. Feito! Eis um ozonizdor capaz de purificar a água que bebemos e até ozonizar o azeite de oliva que pode ser usado como produto germicida em tratamentos de feridas infectadas.

A manutenção deste equipamento poderá eventualmente exigir reparos na cola quente devido ao aquecimento da lâmpada causando derretimento, o que ocasiona vazamentos e perda de eficiência.

Esta foi minha alternativa de produzir ozônio com pressão mais elevada, mas nada impede que se adote outra outra solução. Só depende da tua criatividade.

Tenho um aparelho de ozônio para estética, percebo que é alta voltagem, pensei em retirar a peça que faz a faísca e fabricar um, o que acha??? Ainda os ionizadores, também formam uma faísca, é a mesma coisa??? Obrigado.

Existem dois métodos de produção do ozônio:

1 - descarga iônica (alta voltagem)

2 - UV (ultra-violeta)

O primeiro método tem maior rendimento, ou seja converte uma quantidade maior de oxigênio em ozônio, mas isto não quer dizer que o segundo não o faça.

Apenas não descrevi a descarga iônica pelo risco e dificuldade técnica e operacional do mesmo, pois requer componentes bem específicos, sendo mais caro e exigir conhecimento específico de eletrônica e de alta voltagem. Adicione-se à isto o risco de um choque elétrico, se não letal será bastante desagradável. Para finalizar, os elementos que compõe o equipamento devem ter boa isolação para que o operador não seja eletrecutado bem como a retenção de partículas sólidas nas paredes ionizadas formando uma espécie de fuligem que requer limpeza com regularidade. Este método não deve ser tentado por quem não dispuser de conhecimento e experiência com alta voltagem e eletrônica.

Responder à discussão

RSS

Visitantes online

Colaboradores

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

© 2014   Criado por Maurecir Mafra.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço