AMIGOS DA CURA

TROCA DE INFORMAÇÕES A FAVOR DA VIDA

Estou postando aqui um  procedimento sensacional e natural que elimina pedras na vesícula sem a necessidade de extraí-la cirurgicamente.

LIMPEZA E CURA DO FÍGADO E DA VESÍCULA

Este consagrado método foi retirado do livro "A cura para todas as enfermidades", da Dra. Hulda Clark.

Esta limpeza é séria, funciona e deve ser seguida à risca para que o resultado seja alcançado com sucesso. Ela limpa o fígado e a vesícula e pode evitar a retirada cirúrgica da vesícula biliar. 
Eis alguns sintomas de quem tem problemas na vesícula ou no fígado:
Dificuldade para digerir comidas oleosas.

Sono e/ou peso após as refeições com comidas que contêm gordura (carne, pequi, fritura, cozidos com óleo, abacate, etc.).

Mau humor e irritabilidade freqüentes.

Manutenção de uma alta taxa de glóbulos brancos (os leucócitos, entre eles os eritrócitos, linfócitos e neutrófilos).

Febre interna freqüente.

Sistema imunológico deficiente contra infecções.

Baixa capacidade de proteção do corpo.

Retorno de sintomas de doenças.

A limpeza é recomendada para casos clínicos hepáticos envolvendo o fígado ou a vesícula, fígado "gordo", síndrome do intestino irritado, inflamação dos intestinos, colite, intolerância a alimentos, dificuldades digestivas e outros relacionados ao sistema digestivo inferior.

É comum muitas pessoas, incluindo crianças, terem pequenas pedras nos finos dutos do fígado e também armazenadas na vesícula. Algumas desenvolvem alergias ou reações na pele e outras não apresentam quaisquer sintomas. Quando a vesícula é examinada com Raio-X ou outros aparelhos nada é visto, pois na maioria das vezes essas pedras não estão na vesícula e também porque os equipamentos não conseguem detectar corpos muito pequenos ou que não sejam compostos de cálcio.

Existem mais de meia dúzia de variedades de pedras biliares, e a maioria tem cristais de colesterol como núcleo. No núcleo de cada pedra há um aglomerado de bactérias, de acordo com cientistas.

Com as pedras se acumulando nos dutos, a pressão anterior no fígado se eleva e faz com que ele entregue menos bile e com que possa haver vazamento de bilirrubina para a corrente sanguínea. Com menos bile sendo entregue aos intestinos, menos colesterol deixa o corpo e os níveis de colesterol passam a se elevar bastante.

Além disso, essas pedras são porosas e as bactérias, vírus e parasitas que passam normalmente pelo fígado podem se aderir às paredes das pedras, formando focos de infecção interna que fornecem ininterruptamente microorganismos nocivos ao corpo.
Nenhuma infecção estomacal como úlceras ou inchaço intestinal pode ser totalmente curada sem remover essas pedras do fígado.

Para melhores resultados e para evitar um mal-estar após o processo, recomenda-se fazer antes a limpeza de parasitas seguida da limpeza dos rins e tratamento de cáries.

Independentemente da limpeza dos rins é importante beber bastante água e suco para que todas as toxinas possam ser expelidas (Dra. Clark recomenda as demais limpezas para um processo integral, mas elas não são pré-requisitos desta).


SEGURANÇA DA LIMPEZA

Esta limpeza é muito segura. A Dra. Hulda Clark se baseou em mais de 500 casos, incluindo pessoas de mais de 70, 80 anos. Nenhuma teve que ir ao hospital ou relatou dores. Mas pode-se sentir um mal-estar por um ou dois dias após a limpeza, embora em cada um destes casos a limpeza de parasitas foi negligenciada. Após a limpeza de pedras da vesícula e do fígado são esperados os seguintes resultados:

Desaparecimento de crises hepáticas.

Desaparecimento de alergias, dores nos ombros, nas partes superiores dos braços e nas costas, a cada limpeza.

Aumento da energia para o dia-a-dia.

Melhora da digestão.

Melhora da saúde como um todo, já que a boa digestão é a base da boa saúde.

PREPARAÇÃO PARA A LIMPEZA

Sal-amargo (ou sulfato de magnésio, sal de epsom ou MgSO4 + 7H2O) - 4 colheres de sopa (60 g)

Água mineral (ou água pura) - 3 copos (750 ml)

Azeite de oliva (extravirgem, primeira pressão a frio) - ½ copo (125 ml)

Limão fresco (qualquer tipo de limão, de preferência orgânico, ou grapefruit) - de 2 a 4 grandes (o suficiente para encher 2/3 de copo com suco, uns 180 ml)

Canudo para ajudar a tomar o óleo. 
Observação: É melhor lavar os limões antes duas vezes com água quente e secá-los a cada vez. 

Escolha um dia como sábado para a limpeza para descansar no dia seguinte. Não tome qualquer remédio, vitaminas ou pílulas sem os quais você possa ficar, pois eles podem atrapalhar o processo de limpeza. Se estiver fazendo a limpeza de parasitas, pare 1 dia antes. É importante salientar que não se aconselha fazer a limpeza enquanto o estado de enfermidade estiver muito agudo.


PARTE 1 – CAFÉ DA MANHÃ

Sugestões: chás (menos de mate, preto, chocolate e café), evite ingerir pães (nem bolo nem biscoito, porque contêm óleo), sucos de vegetais, de verduras ou legumes e mel. Isso fará com que a bile se acumule e aumente a pressão anterior (atrás), o que favorece a limpeza porque mais pressão significa empurrar mais pedras para fora. Também mais bile descerá à vesícula e nela se acumulará.


PARTE 2 – ALMOÇO 

Faça uma comida leve, livre de qualquer gordura – não coma leite, coalhada, ovos, carnes (por causa do colesterol), azeite, manteiga, queijos, margarinas, abacate, patês, requeijão, castanhas, nozes, amêndoas, etc. – e evite proteínas e produtos que contenham cafeína (café, chá, etc.). Sugestão: a mesma acima. 


PARTE 3 – PAUSA DE INGESTÃO 

Às 14 horas pare de comer ou beber. Se você quebrar esta regra poderá se sentir muito mal mais tarde. Prepare nessa hora o sal-amargo:

Misture bem quatro colheres de sopa de sal-amargo (todo o recomendado) e os três copos de água (750 ml) em uma jarra. Distribua todo o conteúdo em 4 copos e coloque na geladeira.

Nota: Você pode acrescentar vitamina C em pó à água ou substituir a água por suco puro de limão, de maçã ou de grapefruit para melhorar o gosto.


PARTE 4 – PRIMEIRO COPO 

Às 18 horas, beba o copo 1 da mistura de sal-amargo que está na geladeira. Você pode bochechar com alguns goles de água após beber o sal-amargo para lavar a boca. Se já não estiverem, deixe os limões (ou grapefruit) e o azeite fora da geladeira para ficarem à temperatura ambiente.

IMPORTANTE: Você pode ir ao banheiro a qualquer hora que tiver vontade, menos durante o repouso (após beber o óleo com limão).


PARTE 5 – SEGUNDO COPO

Às 20 horas, beba o copo 2 da mistura de sal-amargo que está na geladeira. Você pode bochechar com alguns goles de água após beber o sal-amargo para lavar a boca. Mesmo não tendo comido desde as 14 horas, você não sentirá fome. Já é hora de se preparar para dormir. Coloque tudo o que você precisa por perto porque o tempo com que os próximos passos são executados é fundamental para o sucesso da limpeza.


PARTE 6 – PREPARANDO O COPO DE ÓLEO E LIMÃO 

Às 21h45 ou um pouco antes, separe meio copo de azeite de oliva (125 ml) e esprema os limões (ou grapefruit) até encher ¾ de outro copo, removendo a polpa com um garfo ou passando por uma peneira ou coador. Deve restar pelo menos ½ copo. Misture o suco espremido com o azeite. Coloque em uma jarra ou recipiente fechado (ou no liquidificador ou mixer de mão), tampe e chacoalhe bastante para misturar bem. Note que só o suco de grapefruit permite que a mistura fique homogênea. Portanto, talvez seja preciso mexer bem antes de beber a mistura. Agora vá ao banheiro uma ou mais vezes, mesmo que atrase a hora de tomar o óleo (às 22h), mas não passe mais de quinze minutos das 22 horas.


PARTE 7 – BEBENDO O ÓLEO

Às 22 horas, tome toda a mistura de óleo e limão. 

ATENÇÃO: Você deve beber o óleo estando em pé, não deitado.

Dicas para beber o óleo

Se tiver dificuldade para beber o azeite com limão (e terá que beber até a última gota), use alguns artifícios: bata no liquidificador ou mixer de mão para misturar bem; use um canudo para evitar que o líquido passe pelas papilas gustativas; tome mais devagar (não passe de 5 minutos para tomar tudo; pessoas mais idosas ou doentes podem estender até 15 minutos); alterne alguns goles com um pouco de mel.

IMPORTANTE: Não vá ao banheiro durante o repouso (até 1 hora e meia após beber o óleo com limão).

Deite-se imediatamente após beber o óleo. O quanto antes você deitar mais pedras sairão. Ao terminar de beber, dirija-se para a cama e deite na posição de costas e com a cabeça alta no travesseiro. Se não fizer isso poderá não expelir as pedras. Portanto, esqueça a cozinha e atenha-se ao dormir. Tente pensar sobre o que está acontecendo no fígado. Você poderá sentir as pedras caminhando pelos dutos biliares, mas sem dor porque as válvulas da vesícula e dos dutos biliares estarão abertas, graças ao sal-amargo.

Tente ficar completamente parado na mesma posição (de costas) pelo menos por 1 hora (melhor se forem 2 horas imóvel). Esvaziar a mente e dormir é o melhor a fazer agora.


PARTE 8 – O DIA SEGUINTE E O TERCEIRO COPO

Ao despertar, tome o copo 3 de sal-amargo, mas não antes das 6 horas da manhã. Se você tiver alguma indigestão ou náusea ao acordar, aguarde até que passe, antes de beber. Depois de beber, pode voltar para a cama.


PARTE 9 – QUARTO E ÚLTIMO COPO

Duas horas depois de tomar o terceiro, beba o copo 4 do sal-amargo. Se quiser, volte para a cama.


PARTE 10 – COMER

Duas horas depois da última dose de sal-amargo, pode comer novamente. Comece com suco de frutas ou um copo de clorofila. Depois de 2 horas, pode comer comida normal, mas prefira alimentos leves, de fácil digestão e com pouco ou nenhum tempero (principalmente condimentos). Você deverá se sentir restabelecido ao fim da tarde.

Nota: Alimentos bem leves são aconselháveis durante este dia. Afinal, quase todo o percurso dos intestinos (uns 5 a 7 metros) terá se esvaziado durante a limpeza.


COMO SABER SE A LIMPEZA DEU RESULTADO?

Espere por uma leve diarréia logo pela manha (talvez não imediatamente após acordar). Ela é necessária para que as pedras que desceram da vesícula possam ser expelidas para fora do corpo. 

Pode-se usar uma lanterna para ver as pedras no vaso. Procure pela esverdeada, pois ela é prova de pedra biliar genuína - e não resíduos de comida. Só a bile do fígado é verde como uma ervilha. O verde pode estar bem claro ou mais escuro (pedras formadas há mais tempo).

Se quiser ver melhor as pedras, coloque algum tipo de peneira de furos maiores (grossa) no vaso (acima da água). A diarréia fará com que as fezes passem diluídas pelos furos e as pedras ficarão na peneira.

MAS É IMPORTANTE NÃO HAVER CONTATO COM AS FEZES PARA NÃO OCORRER NENHUMA CONTAMINAÇÃO! USE A PENEIRA SOMENTE SE TIVER CURIOSIDADE. 

O melhor é visualizar e descartar o quanto antes, pois as pedras geralmente estão contaminadas por bactérias, microorganismos nocivos e até vermes. Não adianta usar luvas ou "proteção" porque alguns são menores que os poros da luva e entram novamente no organismo pela pele.

Geralmente, para que a pessoa se livre completamente de alergias, bursite e dores na parte superior das costas, cerca de 2 mil pedras terão que ser expelidas. Mas esse número de pedras é o resultado da soma de algumas limpezas seguidas. A primeira limpeza talvez livre a pessoa de alguns sintomas por poucos dias, mas assim que as pedras da parte anterior do fígado começarem a descer para frente os sintomas retornam.

Pode-se repetir a limpeza com intervalos de 2 semanas, pelo menos (sugerimos 20 dias a 1 mês). Nunca faça a limpeza quando estiver doente.

São esperadas de 50 a 200 pedras ou cristais por evacuação.

Este procedimento contradiz vários pontos de vista médico. Acredita-se que as pedras biliares são formadas na vesícula biliar, não no fígado. Pensa-se que são algumas e não milhares. Os médicos não as ligam às dores além daquelas que atingem a vesícula. E é fácil compreender isso: quando a dor aguda aparece, várias pedras já estão na vesícula e são grandes e suficientemente calcificadas para serem vistas nos raios-X e, claro, já causaram inflamações lá. Quando a vesícula é retirada, as dores se vão, mas outros sintomas, como bursite e outras dores e problemas digestivos, continuam.


 


Tags: FEGATO, FOIE, HÍGADO, LIVER, Stone, biliar, gall, piedra, vésicule, , Mais...담즙,

Exibições: 102297

Responder esta

Respostas a este tópico

Amigos, boa noite.

Estive lendo o artigo sobre a desintoxicação do fígado e vesícula, um artigo muito bom, mas minha paranóia fala mais alto quando leio sobre os benefícios de se ingerir o CLORETO  de magnésio, o magnésio é bom, quase fundamental, mas o CLORO presente no cloreto, na base de um átomo de cloro para um átomo de magnésio me causa arrepios. Isso só favorece à indústria que explora a extração do sal marinho, bem diferente do "sal de cozinha", composto em grande parte por cloro, na forma de cloreto, se considerarmos a composição, sem levarmos em conta o peso específico, encontraremos 350 gramas de cloro em cada quilo de sal de cozinha, suficientes para entupir, inflamar e destruir o corpo humano. Essas indústrias se utilizam do cloro, na forma de barrilha, para retirar do sal marinho todos os minerais nela contidos, inclusive o sódio, que é reutilizado na composição do sal de cozinha, na proporção de 70% do produto......Se alguém puder diminuir minha "nóia", ficarei muito agradecido.

Olá Jorge! Desculpe se estou lhe importunando, mas também tenho pedras na vesícula e o ultrassom recente deu vesícula  escleroatrófica repleta de cálculos biliares sendo sua conclusão de Litíase Biliar. Já fiz 3 limpeza com o método da drª Ulda Clark em   out 2013, janeiro e abril de 2014. Parece que quanto mais eu retiro mais pedras reproduzem. No seu comentário fiquei curioso deste composto fitoterápico que você descobriu em suas andanças pelo Sudeste. É possível uma receita? ou este composto tem pra vender? Sabe, não gostaria de retirar a vesícula como os médicos recomendam no meu caso e por iisto estou buscando uma alternativa que não seja a cirurgia

Agradeço sua atenção

Modesto Azevedo
 
Jorge disse:

Oi Sandra, tudo bem

Pelo que entendo, a fórmula diminui o tamanho das pedras, em alguns caso chega mesmo a dissolver.

Diminuindo tem mais espaço para a bile passar e atuar nos alimentos no duodeno/intestino delgado, dessa forma há uma aproveitamento maior dos alimentos. E o fígado passa a funcionar melhor, com uma barreira menor, mais dissolvida,  que são as pedras.

A fórmula é muito segura por que dissolve bem lentamente.

Abraços, Jorge do RJ.

 



Sandra Cercachim disse:

 

Olá Jorge.

Eu não li nada a respeito deste método para alguém que sofre de SII. Sei que li alguma coisa a respeito do uso do cloreto de magnésio para este problema do SII e sei que o cloreto de magnésio também dissolve pedra da vesícula. Se tiver interesse dá uma lida na comunidade do cloreto de magnésio.

Você tocou num ponto em que tenho dúvida quando diz que só "conseguiu engordar". A minha dúvida é: se a vesícula tem pedras, ela armazena menos bile que é o que dissolve a gordura que ingerimos, portanto, com menos espaço para a bile na vesícula menor a quantidade de bile jogada no intestino para a dissolução da gordura, então a absorção de gordura é maior e engordamos, certo?

Se houver alguém que saiba responder eu agradeço.

Abraço.

Jorge disse:

Eu conheço esse método, mas fiquei com receio de praticá-lo. Eu tenho SII-D, e pedra na vesícula. Faço autohemo a muitos anos, uso a caixa de orgônio, e tem sido muito bom para me manter mais saudável.

Em minhas pesquisas e andanças pelo sudeste do Brasil (eu moro no Rio de Janeiro) descobri um composto fitoterápico que tomado junto a uma fórmula homeopática vai dissolvendo bem gradativamente, lentamente, o cálculo. Ainda estou tomando-o. Melhorei muito da vesícula. Ainda não fiz a ultrassonografia para ver se diminuiu as pedras de tamanho. Sei que ainda não foi dissolvida, pois sinto-a ainda. Mas, só consegui engordar, e sair do peso mínimo com essa fórmula. Sim, e é claro que a ortomolecular foi a base da minha cura. E essa fórmula, foi o desdobramento vital.

Abç a todos.

AGUA A VONTADE E MAGNESIO , DEVEM MELHORAR TUDO

Estou com receio de fazer o tratamento, pois tenho uma pedra de 2,5 cm.O que vocês sugerem pelas experiências que tiveram?Gostaria de saber qual fitoterápico o Jorge tomou para diminuir o tamanho das pedras.Grata.

Pessoalmente, a limpeza do figado/vesicula pode ser feita conforme o recomendado aqui no blogue amigos da cura.

No meu caso tudo funcionou normalmente, é aconselhável repetir de 3 em 3 meses para uma limpeza total e eficaz.

Pessoalmente eu começaria de imediato.



andrea nieves portalet disse:

Estou com receio de fazer o tratamento, pois tenho uma pedra de 2,5 cm.O que vocês sugerem pelas experiências que tiveram?Gostaria de saber qual fitoterápico o Jorge tomou para diminuir o tamanho das pedras.Grata.

 Oi Andreia ! Já faço pela terceira vez a limpeza do fígado e vesícula e também não tinha noção do tamanho das pedras que tinha na vesícula . Tomei alguns cuidados antes de fazer . Fiz o uso do cloreto de magnésio por 30 dias e fiz também um composto fitoterápico como medida preventiva  cuja receita encontrei na internet . Não conheço a receita do Jorge,mas comigo funcionou direitinho. Segue a receita que é um pouco complicada mas eu consegui fazer em casa.

Tratamento Fitoterápico do Fígado e Vesícula

Estamos vivendo momentos especiais da evolução planetária e pessoal. A vulnerabilidade e os desafios andam acelerados no sentido de não deixar ninguém sossegado ou acomodado.

Não existe tempo a perder quando o assunto é crescer e expandir na qualidade de vida e sensação de realização pessoal. Corações a serviço da harmonia e da paz.

“O tempo urge” e todos somos cada vez mais cobrados pela responsabilidade na busca incessante do autoconhecimento e maior assertividade - inteligência plural -, para solucionar nossos grandes desafios.

Inteligência é a capacidade de encontrar a melhor solução de um desafio no menor tempo possível. E, para tanto, a mente e o corpo limpos - lúcidos - ajudam BASTANTE, é tudo que precisamos.

Neste momento especial do planeta, onde passamos com freqüência diária pela raiva, ira, impotência e medos, emoções extremamente desestruturantes, que nos cegam, emburrecem e são muito negativas ao fígado e vesícula.

Precisamos então transformar, nos desintoxicarmos destas emoções e seus efeitos colaterais, para resgatar nossas inteligências e equilíbrio emocional o mais rápido possível.

Assim, precisamos estar entrando em cumplicidade de amor para com este sistema, uma grande central de defesa e ação visionária, fazendo uso de uma alimentação mais saudável e ainda, devido à grande demanda, dando um suporte ao trabalho hepatobiliar.

Como a receita abaixo produz bastante tônico, sugiro que você o prepare na íntegra e compartilhe com amigos e parentes, iniciando um trabalho de irradiar saúde e equilíbrio ao mundo que lhe cerca.
 

Ingredientes

Erva seca

Erva fresca

Boldo do Chile (Coleus barbatus)

25 g = 1 ½ xícara

50 gramas

Capim Cidreira (Cymbopogon citratus)

25 g = 1 xícara

50 gramas

Carqueja (Baccharis trimera)

50 g = 2 xícaras

100 gramas

Tansagem (Plantago major)

50 g = 2 xícaras

100 gramas

Limão inteiro (polpa, casca e folhas)

-

200 gramas

Álcool de cereais

Ver indicações de preparo abaixo

Água mineral

Ver indicações de preparo abaixo


Preparo de cada uma das 5 Tinturas Mãe (TM):
Importante
: preparar cada extrato em separado, ou seja, serão obtidos 5 frascos de vidro escuro, conforme a formulação e forma de preparo descritas a seguir:

Boldo do Chile TM a 10% - Adicionar 25 gramas da erva seca (ou 50 gramas da erva fresca) em uma garrafa de vidro escuro contendo 125 ml (1/2 xícara) de álcool de cereais (ou álcool absoluto) + 125 ml (1/2 xícara) de água mineral. Tampar bem e deixar em maceração por 2 semanas em local fresco (ou enterradas na terra).

Capim Cidreira TM a 10% - Adicionar 25 gramas da erva seca (ou 50 gramas da erva fresca) em uma garrafa de vidro escuro contendo 125 ml (1/2 xícara) de álcool de cereais (ou álcool absoluto) + 125 ml (1/2 xícara) de água mineral. Tampar bem e deixar em maceração por 2 semanas em local fresco (ou enterradas na terra).

Carqueja Doce TM a 20% - Adicionar 50 gramas da erva seca (ou 100 gramas da erva fresca) em uma garrafa de vidro escuro contendo 125 ml (1/2 xícara) de álcool de cereais (ou álcool absoluto) + 125 ml (1/2 xícara) de água mineral. Tampar bem e deixar em maceração por 2 semanas em local fresco (ou enterradas na terra).

Tansagem TM a 20% - Adicionar 50 gramas da erva seca (ou 100 gramas da erva fresca) em uma garrafa de vidro escuro contendo 125 ml (1/2 xícara) de álcool de cereais (ou álcool absoluto) + 125 ml (1/2 xícara) de água mineral. Tampar bem e deixar em maceração por 2 semanas em local fresco (ou enterradas na terra).

Limão (polpa + casca + folhas) TM - Adicionar 150 gramas de limão maduro lavado e picado + 50 gramas de folhas frescas de limão lavadas e rasgadas em uma garrafa de vidro escuro contendo 125 ml (1/2 xícara) de álcool de cereais (ou álcool absoluto) + 1/4 xícara de água mineral. Tampar bem e deixar em maceração por 2 semanas em local fresco (ou enterradas na terra).

Atenção: após o tempo de maceração as Tinturas (TM) deverão ser filtradas em algodão ou filtro de papel e voltarem para frasco escuro com tampa. Colocar imediatamente uma etiqueta com o nome legível de cada uma das tinturas mãe (TM) e a sua data de preparo. Assim, serão obtidos 5 frascos de TM que se bem acondicionados e guardados em local fresco terão validade de 2 anos.

O Tônico será preparado com a mistura das 5 Tinturas na seguinte proporção:

Tinturas Mãe (TM)

Preparo 110 ml

Boldo 10%

30 ml

Capim Cidreira 10%

20 ml

Carqueja 20%

30 ml

Tansagem 20%

20 ml

Limão Tahiti

10 ml


Função
: este tônico estimula as funções hepáticas e biliares, o que se reflete na purificação do sangue que, por sua vez retira das células e dos líquidos intercelulares toda a sorte de resíduos e toxinas. Processa-se desse modo uma vitalização no organismo inteiro. A carqueja e o boldo ativam as funções hepáticas e biliares. A tansagem atua como antiinflamatório. O capim cidreira tem ação antiespasmódica, levando o organismo a um equilíbrio, caso a carqueja e o boldo ativem demais as funções hepáticas e biliares. O limão atua como um desintoxicante geral.

Indicações: quando se faz necessária uma purificação do sangue e dos líquidos intracelulares e intercelulares. Nas deficiências hepáticas, biliares e digestivas em geral. Como auxiliar nos diversos quadros inflamatórios e degenerativos do fígado e da vesícula. Na desintoxicação do sistema hepatobiliar. Nos quadros psíquicos associados as deficiências hepáticas e biliares, tais como depressão endógena, oscilações de humor, ataques de ira ou medo e distúrbios da volição.

Posologia e tratamento: nos casos de uma vesícula lenta, tomar 30 gotas pela manhã em jejum e 30 gotas à noite ao deitar. Nas outras indicações tomar de 10 a 20 gotas em jejum e após as refeições principais por 3 semanas ou mais. Nos trabalhos com a Alimentação Desintoxicante – principalmente na prática dos jejuns desintoxicantes – tomar 30 gotas antes das refeições principais.

Importante: durante o preparo colocar música relaxante. Fazer orações e bendições, invocando ajuda espiritual e consagrando este remédio para trazer saúde e força. Para cada planta que colocar no preparo abençoar e agradecer. O lugar onde os frascos serão armazenados deverá ser limpo e harmonioso.

Texto extraído dos livros:
- Receituário de Medicamentos Sutis – Dr. José Maria Campos – Ed. Pensamento
- Alimentação Desintoxicante – Conceição Trucom – Editora Alaúde

 

Eu hoje em 26/07/14 já  estou me preparando para a 4ª limpeza do fígado e da vesicula

Responder à discussão

RSS

Visitantes online

Colaborador

.

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

Últimas atividades

José Muniz marcou como favorita a postagem no blog SUPER MINERAL de Maurecir Mafra
16 minutos atrás
Martha Lucia postou uma discussão
1 hora atrás
Posts no blog por lucia souza camara
1 hora atrás
Ícone do perfilgeomarta m cordeiro rocha, Teresa Cristina M C de Moraes, JOCEMAR ALVIM e mais 9 pessoas entraram em AMIGOS DA CURA
1 hora atrás

© 2014   Criado por Maurecir Mafra.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço